A IMPORTÂNCIA DAS ÁREAS VERDES EM JOINVILLE – POR DANIELA LIMA

Notícias por RSS Compartilhar no Facebook Postado por Simone Brümmer, em 19/06/2010, às 11:06, na categoria Meio Ambiente

As unidades de conservação brasileiras podem ser classificadas em dois grandes grupos: unidades de conservação de proteção integral e unidades de conservação de uso sustentável, o que as diferencia são restrições quanto ao seu uso.

É indiscutível os benefícios que as áreas verdes (parques, praças e arborização pública) exercem na qualidade de vida da população de uma cidade em diversos aspectos, proporcionam grandes melhorias em um ambiente já extremamente impactado, exercendo funções importantes:

– Em relação ao aspecto ecológico a presença da vegetação aliada ao solo não impermeabilizado, proporciona uma flora mais diversificada e consequentemente abrigo e alimentação à fauna, aumentando também a variedade maior de espécies animais, influenciando positivamente para o equilíbrio das cadeias alimentares e diminuição de pragas, além dos agentes vetores de doenças. Promove melhorias no clima da cidade e na qualidade do ar, água e solo.

– No aspecto social e psicológico de uma cidade oferece a possibilidade de lazer à população, estimulando a melhoria da saúde física e mental, pois tais áreas absorvem ruídos, melhoram a umidade relativa do ar, atenua o calor, além de estimular a prática da atividade física, e baixar os níveis de estresse pela contemplação da natureza, através do contato direto com os elementos naturais que só uma área verde pode oferecer.

– O paisagismo embeleza a cidade quebrando sua coloração acinzentada e as construções do ambiente urbanizado, tornando-o mais agradável para todos.

– A preservação do meio ambiente aliada a atividades educativas, que contemplem a importância da flora e fauna local permite que essas áreas ofereçam o desenvolvimento de atividades das diferentes disciplinas do conteúdo escolar além de programas de educação ambiental que possibilitem o respeito ao meio ambiente de estudantes e da população como um todo.

Mesmo com tantas funções, a oferta de áreas verdes é muito pouca em relação à procura. Tão importante quanto a criação de unidades de conservação dentro da área urbana é a sua manutenção e os serviços por elas prestados à população, no entanto, Joinville ainda não apresenta uma infra-estrutura básica para receber turistas e a população local, sendo que as Unidades de Conservação existentes que possuem algum tipo de infra-estrutura, já tem apresentado deficiências, negligenciadas pelas diferentes gestões municipais. Mesmo assim a FUNDEMA- Fundação Municipal do Meio Ambiente fez o levantamento do número de visitantes nos parques da cidade e constatou que o Parque Natural da Caieira, Morro do Finder e Zoobotânico contabilizam 102.344 visitantes de janeiro a novembro de 2009, tais dados comprovam a importância do poder público investir nestas unidades, vale salientar que depois da saúde, educação, os parques, praças são o terceiro desejo dos joinvilenses, embora grande parcela da população ainda desconheça os parques já existentes. Salientando que o Zoobotânico, atualmente é classificado como Área de Relevante Interesse Ecológico Morro da Boa Vista, teve sua ordem de serviço assinada no dia 5 de junho de 2009, tendo prazo de 6 meses para ser concluída, passou-se um ano e a obra ainda não está pronta.

 O que falta então para que estas unidades de conservação de Joinville cumpram suas reais funções à população e aos turistas e preservação da biodiversidade?

 – diferenciar nestas áreas setores destinados à conservação bem com ao de lazer;

– estabelecer parcerias entre universidades, empresas privadas para manutenção desses espaços;

– divulgação na mídia, manter rotas de transporte coletivo que circulem nestes locais em especial nos finais de semana e feriados;

– melhorar a segurança nos locais (posto policial, guarda municipal) para garantir o bem estar dos visitantes e da própria unidade;

– estabelecer programas diferenciados de educação ambiental para escolas, turistas e visitantes da cidade, proporcionando aprendizado através do contato direto com os recursos naturais oferecidos pelo local, com equipe treinada constante e efetiva de monitoria em todos os casos.

– realizar pesquisas periódicas de satisfação dos visitantes;

– implantação eficaz e efetiva da coleta seletiva;

– dependendo do tipo de unidade de conservação oferecer opções de lazer diferenciado (esportes, atividades lúdicas e culturais), bem como opções e locais destinados à alimentação, com sua localização sempre respeitando as normas estabelecidas pela legislação para cada tipo de unidade e locais;

– implantação de trilhas bem identificadas, com lixeiras, placas informativas de conduta, sobre a fauna, flora e ecossistema local;

– Construção de centros de apoio aos visitantes, com auditório para reuniões e palestras, materiais de divulgação e exposição.

Somente através do investimento efetivo da infra-estrutura, educação ambiental, serviço prestado e manutenção adequada garantirão que as áreas verdes do município cumpram adequadamente suas reais funções na conservação da biodiversidade e melhoria da qualidade de vida desejada pela população. É desta forma que a gestão municipal atual e futura deve caminhar rumo ao desenvolvimento sustentável da maior cidade do Estado de Santa Catarina.

 

Texto gentilmente cedido por Daniela Lima, bióloga e autora do BlogSite Consciência Com Ciência – Uma Visão Biológica e Sustentável do Planeta.

Texto publicado no Jornal A Notícia, em 05/06/2010.

1 Comentário

  1. GIOVANA disse:

    Gostei da espreção de lidar com o publico e tambem a linda foto que representa uma área verde

Deixe seu Comentário