A IMPORTÂNCIA DA ÁGUA SUBTERRÂNEA

Notícias por RSS Compartilhar no Facebook Postado por Brümmer Advocacia, em 28/02/2011, às 17:02, na categoria Diversos,Meio Ambiente

“A água é a fonte da vida”, é uma expressão que escutamos continuamente, mas não dando a devida atenção. Para darmos a devida atenção e entendermos a importância deste assunto precisamos conhecer um pouco mais sobre o ciclo da água, inserindo a água subterrânea no sistema hídrico, que conforme Rebouças (2006), as águas subterrâneas não são fotogênicas e por isso, normalmente não são lembradas.

Utilizando dados divulgados pelo Ministério do Meio Ambiente juntamente com a Associação Brasileira de Águas Subterrâneas – ABAS e Petrobrás (2007), e simulando que toda a água do planeta totalizasse 1.000 litros, teríamos 975 litros de água salgada e apenas 25 litros de água doce. Mas, dos 25 litros de água doce 17,02 litros seriam gelo, 0,225 litros estariam em pântanos e apareceriam como umidade do solo e ar, e 0,075 litros, ou 75 mililitros formariam os rios e lagos. Então, para cada 1.000 litros de água do planeta, ou melhor, para cada 5.000 copos de água do planeta, aproximadamente 1/3 de um copo de água (200 ml) representa os rios e lagos.

E nesta simulação as águas subterrâneas representam 7,48 litros de água doce na forma líquida. São aproximadamente 37 copos de 200 mililitros de água subterrânea para cada 1.000 litros, ou para cada 5.000 copos de água do planeta. Devemos entender que 97% da água doce líquida do planeta é subterrânea e não damos a devida atenção. E por quê? A água doce mais pura, que praticamente não precisa de tratamento, não é visível. Derramamos toda espécie de produtos sobre ela e esperamos que ela, de forma mágica, se recomponha. Mas, os custos de tratamento, até mesmo para tornar potável a água doce de superfície, são elevados. Dessalinizar água salgada, tecnologia já existente nas plataformas de petróleo, ou mesmo tratar água contaminada para dessedentação animal ou irrigação é realmente um espantoso contra senso, quando os cuidados e a preservação dos mananciais subterrâneos são relativamente banais diante dos custos das remediações e tratamentos.

Várias pessoas imaginam que as fontes de água são ilimitadas, não devendo haver preocupação com racionamento, principalmente no Brasil, onde se estima haver 1/5 da água subterrânea de todo o planeta. No entanto, Rebouças (2006), plagiando Mahatma Gandhi, expressa que:

“não há falta de água doce no mundo para satisfazer todas as necessidades da humanidade, mas não o bastante para atender os grandes desperdícios e degradação da qualidade em níveis nunca imaginados, tanto na agricultura como nas cidades.”

A água subterrânea se movimenta sob nossos pés e abastece rios e lagos, mesmo em períodos de estiagem. São imensos reservatórios de água armazenados entre grãos de areia, ou de silte, ou de argila, ou em fraturas e descontinuidades das rochas. Estes reservatórios se movimentam alguns centímetros por dia ou por mês, ou nem mesmo se movimentam. Recebem recargas das águas da chuva, que por infiltração lentamente vão reabastecer o reservatório. Por isso, a contaminação das águas subterrâneas é extremamente grave.

A remediação de uma contaminação, dependendo da extensão e do contaminante pode demorar anos, ou até mesmo gerações. São tecnologias em desenvolvimento que em grande parte são testadas sem apresentar resultados satisfatórios. Solução imediata para a água contaminada é parar de consumir a água, remover pessoas, animais do local, lembrando que sem água não há vida.Na superfície, as águas superficiais, normalmente interagindo com os aquíferos menos profundos, refletem sobre a vida biológica as condições do meio ambiente subterrâneo. A qualidade da vida em superfície se torna visivelmente enfraquecida.Atualmente uma minoria de pessoas está percebendo a gravidade da situação devido aos exemplos de ocorrências pelo mundo.

Na Tailândia e em diversas ilhas da indonésia o excessivo bombeamento de águas subterrâneas acarretou a salinização dos aquíferos profundos pela água do mar. Situações de contaminação por esgotos, defensivos agrícolas, produtos industriais são narradas nos Estados Unidos, México, Índia, China, Paquistão, Israel, Brasil e outros. Situações que na maioria dos casos têm solução. Mas, atualmente o preço desta solução é muito alto, mesmo para os países mais desenvolvidos. Além disso, principalmente no Brasil, hoje ainda podemos retirar água do aquífero ao lado ou numa porção mais profunda, onde ainda não chegou a contaminação, e sem nenhum custo adicional. Mesmo as previsões mais pessimistas demonstram que não faltará água no futuro, mas certamente, continuando o descaso com que atualmente tratamos as águas subterrâneas, o preço dela será demasiadamente alto para uma grande parcela da população.

Marcos Trojan

Geólogo

E-mail: marcos.trojan@yahoo.com.br /Fone: (47) 8808 1283

Deixe seu Comentário