VAZAMENTO DE MELAÇO EM SP

Notícias por RSS Compartilhar no Facebook Postado por Assessoria, em 29/10/2013, às 08:10, na categoria Direito Ambiental,Diversos,Legislação,Meio Ambiente

Mais de 20 pessoas foram retiradas das casas atingidas pela “cachoeira de caramelo” após um incêndio em um armazém de açúcar no porto seco de Santa Adélia (SP), que começou na sexta-feira (25). O produto derreteu e vazou do galpão, atingindo a cidade. Seis residências foram invadidas pelo açucar queimado. “Minha casa está toda melada, e olha que nem foi uma das mais atingidas, mas o chão está grudando todo. Estou preocupado com bichos que possam aparecer depois disso e também com os riscos ambientais no local”, comentou o vendedor Isaias José dos Santos, que mora no local há 5 anos. Veja galeria de fotos do local.

Segundo ele, a empresa se comprometeu a limpar as casas após conter o incêndio. A cachoeira, que escorre há mais de 80 horas, continua a jorrar açúcar queimado. Uma barreira de terra foi montada para impedir o avanço do líquido, mas a força do açúcar derretido e a temperatura alta, que segundo os policiais pode estar a 100 graus, ameaçam derrubar um dos muros do armazém que ajuda a conter o produto. “Nunca vi uma enxurrada de melaço na vida, nem pensaria que isso aconteceria. Eu só pude ir à minha casa retirar pertences pessoais acompanhado de policiais. Está um caos”, comentou Isaias, que está em um hotel custeado pela empresa.

Casa atingida por caramelo foi interditada pela Defesa Civil (Foto: Reprodução / TV Tem)
Casa atingida por caramelo foi interditada pela
Defesa Civil (Foto: Reprodução / TV Tem)

O aposentado Ouvides Rossi, também teve a casa atingida pelo melaço. “Moro há 35 anos ao lado dessa empresa e nunca imaginei que isso um dia fosse acontecer, é incrível. Primeiro tive muitos problemas com a poeira do açúcar que saia da empresa, mas nem imaginei que pudesse piorar. Agora isso? Espero que a empresa resolva este problema pois minha casa ficou toda suja, além dos riscos desse material quente que poderia me atingir”, comentou o aposentado, que também está em um hotel aguardando liberação.

Uma empresa foi contratada para fazer o transbordo do caramelo até uma usina, mas os operários tiveram que parar o serviço. De acordo com a polícia, o problema é que esse açúcar derretido endurece muito rápido, e as máquinas não conseguem sugar.

 Ouvides vê residência, ao fundo, sem poder entrar em casa (Foto: Marcos Lavezo / G1)
Isaias vê residência, ao fundo, sem poder entrar
em casa (Foto: Marcos Lavezo / G1)

O porto seco de Santa Adélia recebe açúcar de todo o interior do estado, que é transportado de trem para Santos (SP). Desde sexta-feira (25) bombeiros trabalham no combate às chamas, que começaram em uma esteira de carregamento. Eles acreditam que a retirada total do produto que ainda está no armazém vá demorar. Apesar das proporções do incêndio, não houve feridos.

Segundo a assessoria de imprensa da Agrovias, que administra o Porto Seco há três, o trânsito de trens já foi restabelecido, porém, ainda está sendo monitorado. Novas barreiras de contenção foram providenciadas em frente à empresa e as casas próximas. A Agrovias também já contratou uma empresa especializada para acompanhar possíveis danos ambientais.

Danos ambientais
O incêndio causou a morte de milhares de peixes em rios que cortam a cidade. A Cetesb já confirmou a contaminação do rio São Domingos, que corta outros cinco municípios da região.

Apesar de o xarope, que se forma com o açúcar queimado, não ser tóxico, ele provoca diminuição no oxigênio e pode haver mortandade de peixe.

Os peixes apareceram mortos a cerca de sete quilômetros do local do acidente. Atingidos pelo melaço, a Polícia Ambiental acredita que há 50 quilômetros de rio.

Por enquanto, tanto a Cetesb, quanto a Polícia Ambiental, estão tomando medidas emergências, que abrange a criação de cinco barreiras tapando os bueiros e criando contenções para escoamento do melaço. Pelos próximos 15 dias serão feitos apenas laudos de medição para dimensionar o prejuízo ambiental.

Açúcar derretido vaza por cima de muro do galpão que pegou fogo (Foto: Ana Paula Luciano/TEM Você)
Açúcar derretido vaza por cima de muro do galpão que pegou fogo (Foto: Ana Paula Luciano/TEM Você)

 FONTE:http://g1.globo.com/sao-paulo/sao-jose-do-rio-preto-aracatuba/noticia/2013/10/casa-esta-toda-melada-diz-vitima-de-cachoeira-de-caramelo-em-sp.html

ACESSO EM 29/10/13.

Deixe seu Comentário