NATUREZA MUTILADA

Notícias por RSS Compartilhar no Facebook Postado por Simone Brümmer, em 15/02/2010, às 10:02, na categoria Direito Ambiental,Direito Penal

Capturar canários, curiós e araras nas matas, transportá-los escondidos no interior de malas, caixotes ou tubos de PVC e depois vendê-los por dezenas, e até milhares, de reais sempre foi um crime covarde. Agora, traficantes descobriram um jeito de torná-lo também mais fácil. O novo método consiste em “esquentar” pássaros retirados da natureza inserindo neles anilhas de identificação do Ibama – uma espécie de atestado de legalidade que os criminosos compram de criadouros autorizados. Como não há fiscalização sistemática desses criadouros, a proprietários mal-intencionados basta solicitar ao instituto um número de anilhas superior àquele necessário para identificar os filhotes nascidos no estabelecimento e usar o resto para abastecer o estoque dos traficantes. De cada dez anilhas distribuídas pelo Ibama, pelo menos sete acabam nas mãos de traficantes de aves silvestres, admite o instituto.

Para os criminosos, o expediente é altamente proveitoso. Além de aumentar o seu lucro, já que uma ave anilhada vale em média o triplo de uma sem anilha, ele possibilita o transporte, despreocupado e à luz do dia, de uma quantidade muito maior de pássaros. Já para os bichinhos, o sofrimento é indizível. Como, em geral, as aves capturadas são adultas e as anilhas não cabem nos seus pés ‘foram feitas para identificar filhotes’, na tentativa de encaixá-las à força, os traficantes as machucam sem piedade. No Rio de Janeiro, o Centro de Triagem de Animais Silvestres do Ibama, no município de Seropédica, abriga diversos pássaros com pés e dedos quebrados no processo (os que têm mais sorte portam anilhas alargadas, recurso também usado por traficantes). Outros exibem ferimentos recebidos durante o transporte ou cativeiro. Há tucanos de bico quebrado, sabiás despenados e periquitos mutilados.

As aves são capturadas pelos traficantes na Amazônia e no Nordeste, principalmente, e quase sempre se destinam ao mercado brasileiro – apenas uma pequena parte chega de carro à Argentina, de onde segue para a Europa. No país, o principal mercado consumidor está na Região Sudeste. Lá, nos estados de São Paulo e Rio, as aves são vendidas em feiras ou oferecidas a colecionadores e criadouros. Quanto mais bonito o seu canto, mais perseguidas pelos criminosos elas são.

O tráfico ilegal de animais silvestres movimenta de 10 a 20 bilhões de dólares por ano no mundo – valor do qual o Brasil participa com 15%. Trata-se de um crime pouco fiscalizado, com alta margem de lucro e punição branda. A pena para o tráfico de animais silvestres, tanto para quem é flagrado com uma arara em casa quanto para quem é pego vendendo 1 500 curiós, varia de seis meses a um ano de detenção – o que quer dizer que quase nunca é cumprida, já que pode ser transformada em prestação de serviços à comunidade. “Traficar animais no Brasil é um negócio vantajoso e compensador”, resume o delegado Álvaro Palharini, chefe da Divisão de Repressão ao Crime contra o Meio Ambiente e Patrimônio Histórico da Polícia Federal.  Azar do curió, do canário-da-terra, da arara-azul…

Fonte:  Reportagem de Marina Yamaoka, de VEJA .   Extraído de http://portalexame.abril.com.br/meio-ambiente-e-energia/noticias/natureza-mutilada-531954.html?utm_source=twitterfeed&utm_medium=twitter

Deixe seu Comentário