MT LIDERA DESMATAMENTO EM FEVEREIRO NA AMAZÔNIA LEGAL, APONTA IMAZON

Notícias por RSS Compartilhar no Facebook Postado por Brümmer Advocacia, em 22/03/2012, às 12:03, na categoria Direito Ambiental,Diversos,Meio Ambiente

Mato Grosso foi o estado brasileiro que mais desmatou a Amazônia Legal no mês de fevereiro de 2012, se comparado com o mesmo mês de 2011, conforme apontou estudo do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon). 

O Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD) do Imazon detectou 107 km² de desmatamento neste mês, sendo que Mato Grosso foi o estado responsável por 65% deste total devastado no período. O restante ocorreu em Rondônia (12%), Amazonas (10%), Roraima e Pará (7%).

O município da Amazônia Legal que mais sofreu com o desmatamento foi Brasnorte, que fica a 580 km de Cuiabá. No total, Mato Grosso teve cinco municípios indicados no ranking nacional dos municípios que mais foram desmatados.

Procurada pela reportagem do G1, a secretaria estadual de Meio Ambiente (Sema) informou, por meio da assessoria de imprensa, que já vem monitorando os pontos de desmatamento no estado, e que costuma avaliar todas as informações recedidas. Além disso, a Sema disse que tem feito operações contra o desmatamento em conjunto com outros órgãos.

Em fevereiro, segundo o Imazon, a maioria (66%) do desmatamento ocorreu em áreas privadas ou sob estágios de posse nos estados. O restante foi registrado em assentamentos (22%), terras indígenas (9%) e unidades de conservação (3%). 

Segundo ponderou o Imazon, só foi possível monitorar com o SAD somente 24% da área florestal na Amazônia Legal em fevereiro de 2012. Os outros 76% estavam cobertos por nuvens o que dificultou o monitoramento na região. Em virtude disso, os dados podem estar subestimados.

O desmatamento acumulado no período de agosto de 2011 a fevereiro de 2012 totalizou 708 quilômetros quadrados. Houve redução de 23% em relação ao período anterior (agosto de 2010 a fevereiro de 2011) quando o desmatamento somou 922 quilômetros quadrados.

Fonte: G1

Deixe seu Comentário